Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogas?

Colégio Académico

Blogas?

Colégio Académico

"Letras mágicas vindas por carta"

 

     Aproveitando O dia Mundial dos Correios, sugeri aos meus alunos que desenhassem personagens ao seu gosto, para que, posteriormente, em conjunto com os seus familiares, elaborassem uma história, aproveitando essas mesmas personagens.






  Assim sendo, apresentamos:

 

Os melhores amigos

 

   Era uma vez um cão chamado Boneco, o seu melhor amigo era Doraemon. Sorridentes viviam felizes e eram muito amigos. O cão colorido pulava e o seu amigo tirava as coisas do seu bolso e os dois divertiam-se muito. O Doraemon falava muito com o cão colorido, entendiam-se sempre bem e nunca ficavam chateados.

   Um dia, pela manhã, o Boneco perdeu-se no jardim da cidade e ficou muito triste porque pensou  que não iria vê-lo mais para brincar.

   O Doraemon ficou muito preocupado com o seu amigo, porque demorava a chegar a casa. Começou a pensar que deveria usar os seus poderes para encontrar o seu amigo.

   Foi então que apareceu no jardim da cidade o Phineas, que perguntou ao Doraemon porque estava tão triste e ele respondeu:

   ─ Oh Phineas, perdi o Boneco, o meu lindo cãozinho colorido que gosta tanto de brincar. Estou tão preocupado!

   O Phineas chamou o irmão, o Pherb e a sua namorada Isabella e disse-lhes:

   ─ Malta, já sei o que vamos fazer hoje!

   Chamaram o resto do grupo que estava na casa azul com a grande porta verde e foram todos para junto da grande árvore das laranjas, que ainda estavam verdes e depois de combinarem uma estratégia, puseram mãos à obra! Começaram a construir uma máquina do tempo mágica que os ia ajudar a voltar atrás, até ao momento em que o Boneco tinha sido visto pela última vez.

   ─ Está pronta Doraemon! ─ disse o Phineas.

   ─ Ena! Está super espetacular, obrigado meus queridos amigos! ─ respondeu o Doraemon.

   E então os amigos entraram todos dentro da máquina e marcaram a data e a hora certa...

   Nesse momento, Doraemon, Phineas, Pherb e Isabella apareceram noutra zona do jardim, debaixo de uma árvore e esbarraram com uma menina que vinha muito aflita a correr. Era a Akari.

   ─ Ai, desculpem! ─ disse ela.

   ─ Não faz mal... mas onde vais com tanta pressa? ­─ perguntaram-lhe os quatro amigos.

   ─ Desculpem mais uma vez! Mas tenho de ir atrás de minha “jewelpet”, a Ruby! ─ respondeu Akari.

   ─ Mas ela fugiu?

   ─ Oh não, claro que não! A Ruby fez um amigo novo aqui no jardim, um cãozinho colorido chamado Boneco. Eles estavam a brincar às escondidas e ouvi-os dizer que iam esconder-se de mim, mas... fora do jardim, para não os encontrar logo!

   ─ Fora do jardim? Sozinhos? ─ exclamou Doraemon preocupado com o seu cãozinho.

   ─ Temos de ir, depressa! ─ gritaram o Phineas e o Pherb em coro, impacientes.

   Fora do jardim havia carros que passavam na estrada em grande velocidade. Era preciso encontrá-los e... rapidamente! Foi então que Akari se lembrou que a sua amiga Ruby era uma coelhinha muito especial e mágica e resolveu tentar uma magia... a magia da transformação!

    ─ Twinkle, twinkle...

    Foi então que aconteceu algo de extraordinário: A Akari tinha-se transformado num cão, que como sabem tem um faro muito apurado.

    ─ Amigos, vamos pôr-nos a caminho! Cofiem no meu faro.

    E lá foram os cinco amigos em busca do Boneco e da coelhinha Ruby, que tão desprotegidos se deveriam estar a sentir.

    A noite tinha caído e estava tão escuro que os nossos amigos não viam um palmo à frente do nariz.

    ─ Meu plano não resultou! ─ disse Akari muito triste.

   Os cinco amigos já desesperavam, quando Doraemon se lembrou de retirar a sua famosa bolsa situada na barriga, uns óculos especiais, daqueles que dão para ver no escuro.

    ─ Que excelente ideia, Doraemon! – disse Phineas.

   Contudo, não havia maneira de encontrá-los, e Isabella já cansada pediu para descansar. Foi então que de repente ouviram um ão ão! Ão ão!

   ─  É o Boneco! ─ disse o Doraemon.

   ─ Tens a certeza? ─ perguntou o Pherb.

   ─ É claro que sim ─ disse o Doraemon todo contente.

   Boneco vinha lançado em direção aos seus conhecidos, parando a alguns passos deles, parecia que chamava os cinco para que o seguissem.

   ─ Ele quer que o sigamos ─ disse a Isabella.

   Boneco levou-os junto de Ruby que se encontrava atrás de um arbusto muito assustada.

   ─ Não te preocupes! ─ disse Akari ─ Estamos aqui para levar-te a casa.

   Ruby espreitou pelo arbusto, e ficou muito contente por ver Akari.

   ─ Espero ─ disse o Doeramon ─ que nunca mais se afastem das pessoas que gostam de vocês!

   Doraemon vira-se agora para quem está a ler esta história e diz:

­   ─ O mesmo vale para vocês, Rodrigo, Diana, Filipa e Ariana. Nunca se afastem dos vossos pais, eles são os vossos MELHORES AMIGOS!

 

Fim

 

   Agradeço, mais uma vez, a colaboração de todos os pais e familiares!

  Esta história será trabalhada e posta no jornal “Letras pequenas para grandes leitores”, no final deste 1.º período.